Archive for the ‘Cabeça de vento’ Category

h1

Meio de férias

dezembro 24, 2008

Posts escassos por causa das férias

(que, aliás, merecem outra reflexão: Essas férias não tem sido apenas “não trabalho”, mas “não rotina”. E 95% do que era rotina – como escrever no blog ou correr no meu simulador favorito – eu tenho mantido uma surpreendente distância, quase um asco).

Mas não da para deixar de registrar que a matéria “Anac notifica Gol e Varig para melhorar atendimento em Rio, SP e Distrito Federal” me lembrou tanto esse post aqui, que fiz durante minha “batalha” pra conseguir emitir um bilhete pelo Smiles…

h1

Viajar (a trabalho) é legal. Pra quem não viaja.

novembro 14, 2008

Quando eu era pequeno, vivia levando e buscando meu pai no aeroporto. E, claro, achava o máximo ver todos aqueles jumbões, e depois a festa com os souvenirs e as baboseiras do freeshop. Inclusive, suspeito muito que daí que tenha surgido meu enorme interesse (pra não dizer paixão) por máquinas que voam.

E aí o meninão cresceu e o caixeiro viajante passou a ser eu. E aí lembrei de uma coisa que o pai, a eterna voz da experiência, falava e eu nunca entendia: “Viajar a trabalho só é legal pra quem não viaja”.

De fato, tem algumas conveniências, mas várias inconveniências… uma delas é encarar os aeroportos.

Vamos supor que você está habituado a fazer tudo conforme o figurino. Chega uma hora antes para o vôo. Dirige-se à sala de embarque meia hora antes do vôo. Entra na fila quando “a voz poderosa” (aquele que você não sabe onde de onde vem e fala sempre em português ruim e inglês pior ainda) manda.

Agora vamos supor que você está voando de Gol. O que acontece:

– Chegou uma hora antes? Devia ter contabilizado outra hora para a fila. Ou não, pois…

– Falta meia hora e você nem check-in fez? Who cares.. nessa hora chamam pro encerramento, ou seja, quem ainda tá na fila é convidado a passar na frente dos outros. Sim, inclusive o cara que você acabou de ver entrando esbaforido na fila com o taxista correndo atrás pra devolver o troco.

– E a sua malinha de mão? “Senhor, sua mala está com 5 kilos e um grama. O máximo permitido são 5 kilos. Teremos que despachar”.

– Mas você perdeu só meia horinha de pé na fila. Putz, bem a meia horinha do pão de queijo.. mas tudo bem, eles vão servir uma deliciosa barrinha de cereal acompanhada de suco de goiaba e manga light. Pensando bem, vou ali pegar o meu pão de qu… ops, a voz poderosa manda ir pra fila.

– Aí manja aquela fila gigante? Só pra te fazer de trouxa. Primeiro, porque nem terminaram de desembarcar o vôo anterior. Segundo, lembra do check-in? Então, teu lugar já está marcado e ninguem vai roubar sua janelinha. E olha que nem to falando dos “reposicionamentos de aeronave”….

– Bom, se é assim… vamos ao pão de queijo. Anda, anda, anda, tira a carteira do bolso, “moça, me vê um pão de que….” – atenção senhores passageiros, última chamada.

– Ok, vamos na barrinha de cereal. O que você não sabe é que tem sempre umas 3 últimas chamadas. Aliás, tem mais últimas chamadas que primeiras chamadas.

Bom, mas pelo menos agora você embarcou. Certo?

Certo. Mas aguarde o próximo capítulo, “as piores coisas que podem te acontecer num vôo” (e acredite: O cara roncando do seu lado é a mais suave delas)

h1

Velhice é, sempre, uma questão de ponto de vista

outubro 15, 2008

…isso porque estava batendo um papo com alguns colegas sobre os novos fenômenos no esporte, como Lewis Hamilton, Usain Bolt, Alexandre Pato, e por aí vai.

Um deles soltou o velho drama pessoal: “É, estou ficando velho. Me lembro que antes todos os fenômenos do esporte eram muito mais velhos que eu.. agora todos são mais novos”.

Nada, balela, longe de ser motivo de preocupação.

Fique preocupado apenas quando todas as mulheres gostosas bonitas que você olhar forem mais novas que você.

h1

Maluf: Na política até o mundo acabar

setembro 17, 2008

Mais uma que deu na Folha:

“Só deixo a política quando Deus me levar para o céu”, disse Maluf, 76, encerrando sua participação na sabatina da Folha, ao ser questionado se tinha prazo para deixar a política.

Só posso concluir que Malufão só para de disputar eleição quando ocorrer alguma das situações abaixo:

  • O buraco negro do acelerador de partículas engolir o universo
  • Algum país do oriente médio resolver brincar de biribinha atômica
  • O aquecimento global deixar só baratas habitando esse mundo
  • Inri Cristo travar a batalha do Juizo final com o Toninho do Diabo
  • Nenhuma dessas bizarrices acontecer e tirarem o Sol, uma estrela normal que nasce e morre, da tomada

Porque se esse aí for pro céu, vai ser o acontecimento do milênio.

h1

A lei seca e as estatísticas

setembro 16, 2008

Diz o ditado que Deus protege os bêbados.

Mas nossos governantes pouco se importaram com a sabedoria e crença popular e, como todos sabem, lei seca neles.

E praticamente de um dia pro outro, boa parte dos brasileiros mudaram alguns de seus hábitos norturnos. Dirigir depois daquele choppinho com os amigos passou a ter uma pena mais dura que cometer um homicídio. Como sair matando por aí não é tão legal quanto dar umas risadas num bar, a galera começou a dar uma maneirada no copo mesmo.

Exageros à parte, contra fatos não há argumentos (o exagero fica por conta dos valores das multas e das penalidades previstas. Ser preso por 3 chopps? Ninguém fica lelé a ponto de causar acidentes com essa dosagem. Mas o curioso, mesmo, é que junto com a lei veio um aumento impressionante na fiscalização. À noite, e principalmente nos fins de semana, se vê blitz como nunca se via. Será que, como muita coisa no Brasil, apenas esse esforço para fazer a lei (que já existia) já não bastava, pelo menos num primeiro momento??).

Mas falava eu sobre os fatos. Os resultados foram positivos já nas primeiras semanas, e os resultados “consolidados” (consultês spell detected) a médio-longo prazo devem comprovar ainda mais a eficácia da lei, dizem as estatísticas.

Ah, elas… as estatísticas. Elas também tem suas ironias deliciosamente divertidas. Deu na Folha de S. Paulo, em matéria falando sobre a eficácia da Lei:

“A pesquisa aponta ainda redução das mortes no trânsito em relação ao total -eram 15%, em 2007; agora são 10%. (…) A redução, entretanto, não é regra: nas mortes por atropelamento, o percentual de alcoolizados subiu de 31% para 52%.”

Portanto você, bebum, lembre-se: Se beber, pegue um taxi para atravessar a rua. A lei está deixando sua vida cada vez mais perigosa!

h1

Agora twittando

setembro 4, 2008

Parece que quanto mais coisa pra fazer (com menos tempo), mais cansaço, mais tudo, o que eu faço é justamente arranjar mais coisas pra fazer.

Provavelmente uma tentativa de fuga do cérebro pra arejar a cuca, relaxar, se convencer que o mundo não vai acabar em barranco.

Então, a bola da vez é que além do blog, arranjei um twitter, que agora está escondido alí embaixo como “Bate Pronto” e, naturalmente, não funcionando.

Acho que isso é um sinal que a idade chega pra todo mundo. Não que eu seja ou me ache velho (tem gente que lê aqui e me bateria se eu fizesse uma afirmação dessa), mas cada vez mais sinto que estou passando de ser o sobrinho que ensina as coisas para o primo que pergunta como faz.

Então, enquanto o twitter não funciona no blog, quem quiser atestar que eu deveria arranjar coisa mais útil pra fazer pode ir aqui: http://twitter.com/sopravariar

h1

Guitar Hero está salvando toda uma geração

setembro 1, 2008

Te confesso pra você que sempre tive uma birra pessoal com o joguinho “Guitar Hero”. Numa análise rápida creditei ao fato de eu tocar guitarra efetivamente e não ver lá muita graça em ficar apertando botões como se tivesse tocando guitarra.

Mas também nunca joguei. Dizem que é divertido de qualquer forma. Enfim… o post é, na verdade, sobre como eu passei a admirar e virar defensor ferrenho do jogo (e sem ter jogado ainda!)

Foi numa despretensiosa conversa num “business lunch” (nome bonitinho para o ato de levar o cliente pra rangar num lugar bacana) que o assunto veio a tona e me abriram os olhos para ver a luz: O Guitar Hero está mostrando música de verdade pra molecada e salvando o mundo da dominação dos emos, pops e hip-hops enlatados em geral.

Cara, como não percebi isso antes?

Ao invés de ver na eMe Tê Vê pseudo-rockeiros soltando pseudo-lágrimas enquanto pseudo-tocam guitarra, a molecada ta  desafiando prum duelo caras como o Slash, Steven Tyler, Stevie Ray Vaughan, Brian May, Jimi Hendrix, enfim… VERDADEIROS Guitar-Heros!! E naturalmente isso gera interesse… o próprio cliente contou da empolgação do sobrinho quando o tio cantarolou uma música do AC/DC e o guri falou “nossa tio, você conhece essa música do jogo?? É muito legal”

Definitivamente, o mundo tem salvação